Chocolate, álcool e castanhas potencializam o surgimento do herpes labial

herpes-labial

O vírus do herpes labial está presente em 90% das pessoas em todo o mundo (Foto: Internet)

Poucas coisas são tão gostosas quanto as comemorações de fim de ano, principalmente se o assunto é comer e beber bem. Seja nas festas da empresa, no amigo-oculto com os amigos ou nas celebrações com a família, a mesa farta é sempre um ponto alto. Algumas das estrelas dessa época são o chocolate, presente nos famosos chocotones e outras iguarias; as castanhas, já tradicionais entre os tira-gostos natalinos; e as bebidas alcoólicas, que não podem faltar em nenhuma confraternização.

diagrama-herpes-labialO que nem todo mundo sabe é que esse trio pode se tornar uma verdadeira bomba para quem tem herpes labial, uma doença cujo vírus está presente em 90% das pessoas em todo o mundo. Ricos em arginina, um aminoácido responsável pela replicação do vírus, eles contribuem para o surgimento das dolorosas e constrangedores bolhas na região da boca.

 

A boa notícia é que existe um outro aminoácido, a lisina, que é uma aliada contra o herpes labial. Ela inibe a ação da arginina no nosso organismo e, com isso, previne as crises da doença.

“Para elevar a concentração de lisina, deve-se aumentar a ingestão de alimentos ricos nesse aminoácido e com baixa concentração de arginina, como leite, queijo, ovos, carnes, frangos, peixes, soja e legumes. Alimentos com alta concentração de arginina, como chocolates, cereais, castanhas e gelatina devem ser evitados”, explica Dr. Walmar Roncalli Pereira de Oliveira, dermatologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFM/USP).

A lisina também está disponível em um suplemento chamado cloridato de lisina, lançado há pouco tempo no mercado.

Consulte o seu médico sobre essa opção e curta as festas de fim de ano sem preocupação!