Canadense cria bar no ABC Paulista onde só pode falar em inglês

No Little Igloo, clientes e funcionários só se comunicam em inglês. (Foto: Junior Lago/Uol)

No Little Igloo, clientes e funcionários só se comunicam em inglês. (Foto: Junior Lago/Uol)

Para praticar o inglês é preciso sair do país. NOT! O canadense Rusty Russell (43) teve a ideia de abrir o bar Little Igloo, em Santo André, na região do ABC Paulista, onde clientes e funcionários só se comunicam em inglês.

O empresário, que vive há seis anos no Brasil, percebeu que quem estuda a língua inglesa não tem um local ideal para praticar o idioma fora da sala de aula. Foi aí que resolveu abrir o bar, em dezembro de 2013.

“A ideia era criar um local onde as pessoas se sentissem confortáveis para praticar o inglês”, diz. Segundo ele, nenhum cliente é impedido de entrar ou deixa de ser atendido se não se comunicar em inglês. No entanto, quem vai ao bar busca aprimorar o idioma e, por isso, se esforça para se comunicar na outra língua, de acordo com o empresário.

“Se um grupo começa a falar em português, eu digo: ‘ei, pessoal, em inglês, por favor’, mas ninguém é obrigado a nada”, afirma em tom de brincadeira. Segundo Russell, o ambiente ajuda os tímidos a se descontraírem para conversar em outra língua. “Alguns clientes chegam aqui assustados, mas, depois de um ou dois drinks, falam bastante.”

As paredes brancas e o formato do bar dão aos frequentadores a impressão de estarem em um iglu de verdade (Foto: Junior Lago/Uol)

As paredes brancas e o formato do bar dão aos frequentadores a impressão de estarem em um iglu de verdade (Foto: Junior Lago/Uol)

O bar vende apenas bebidas, que variam de R$ 10 a R$ 25. Caso o frequentador queira algo para comer, o empresário tem parceria com a pizzaria ao lado, que fornece o alimento. “Para pedir uma pizza, é só gritar da rua e eles fazem para nós”, declara. “Se tivesse um buraco na parede para nos comunicarmos, seria perfeito.”

O Little Igloo fica na Rua Santo André, 283, no Centro de Santo André, e abre de quarta-feira a sábado à noite. Por dia, o local recebe de 60 a cem pessoas, segundo o empresário.

Antes de vir para o Brasil, o empresário morou por 15 anos no Japão, onde também tinha um bar. Foi lá que ele conheceu a mulher, Telma, bailarina nascida em Santo André, que participava de um espetáculo no país. Os dois se casaram em 2009 e passaram a morar na cidade-natal da dançarina. Apesar de viver no país há seis anos, Russell ainda tem dificuldades para se comunicar em português.

Fonte: Uol